Países Que Não Estão No Un

A ONU é uma organização global que foi criada para alcançar vários objetivos, sendo o principal deles a manutenção da paz mundial. No final da Primeira Guerra Mundial, várias nações se uniram e estabeleceram a Liga das Nações principalmente para evitar a ocorrência de outra guerra global. No entanto, a organização falhou em seu mandato como o mundo estava envolvido em uma guerra mundial posterior de 1939 que resultou em perda maciça de vidas, bem como dificuldades econômicas para vários países.

Em abril 1945, na cidade americana de São Francisco, delegados de alguns governos se reuniram e mais tarde naquele ano a ONU foi formalmente reconhecida. A sede principal da organização está situada em Manhattan. No entanto, outros escritórios localizados em cidades como Nairóbi, Genebra e Viena são essenciais para sua administração. A ONU enfrentou um de seus maiores desafios em seus anos de formação devido ao surgimento da Guerra Fria, que era uma ameaça substancial à paz mundial. A ONU desempenhou um papel significativo em assegurar que a Guerra Fria não se transformasse em guerra total. Na 1945, a organização só se gabava de membros da 51, no entanto, a partir da 2018, havia membros do estado 193 com a nação mais recente a se juntar ao sul do Sudão. Um dos fatores que contribuíram para o aumento do número de membros foi a descolonização, particularmente no continente africano. Devido a um grande número de membros, a ONU é uma organização amplamente influente e respeitada, com sua influência sendo facilmente visível em um grande número de campos. As seguintes nações não fazem parte da ONU devido a várias razões.

3. Kosovo

O Kosovo ocupa uma área quadrada de 4,212 na região sudeste da Europa. Proclamou-se independente do estado sérvio em 2008. Uma das principais razões pelas quais o Kosovo não aderiu à ONU é porque várias nações do mundo não reconhecem sua independência. A partir da 2018, o Kosovo havia sido reconhecido pelos países da 111 que eram membros da ONU, que era aproximadamente 58% dos membros da organização. Entre os países que decidiram não reconhecer a independência do Kosovo estavam a Rússia e a China, ambos membros do Conselho de Segurança. A China defendeu mais negociações, enquanto a Rússia proclamou a declaração do Kosovo ilegal. As Nações Unidas tinham uma missão administrativa no Kosovo cujo objetivo principal era assegurar a paz para a residência da nação e o respeito pelos direitos humanos fundamentais. Atualmente, a missão realiza relativamente poucas tarefas devido à formação de uma missão pela União Européia, bem como à implementação de uma nova constituição. O Kosovo juntou-se a várias organizações internacionais, com um exemplo notável sendo o Fundo Monetário Internacional em sua busca para obter reconhecimento internacional completo. A ONU, no entanto, não reconhece o estado como um membro oficial da organização. O governo kosovar espera um dia alcançar o status que permitiria a adesão à ONU.

2. Palestina

A Palestina cobre um território de aproximadamente 2,320 milhas quadradas. Em 2016, a Palestina era a casa de cerca de pessoas 4,816,503 de acordo com dados do Bureau Central de Estatísticas da Palestina. A maioria das nações do mundo já reconheceu a Palestina, com aproximadamente 71% dos países-membros da ONU reconhecendo-a, mantendo a maioria deles mantendo relações diplomáticas. No entanto, uma das principais nações do mundo e um membro da Segurança da ONU com poderes de veto, os EUA, ainda não reconheceram o status da Palestina. A ONU reconhece a Palestina como um estado observador não-membro que lhe confere vários privilégios. A principal razão pela qual a ONU negou a adesão à Palestina foi por causa de uma disputa com Israel. A ONU já havia declarado sua posição sobre o conflito declarando que preferiria ver um acordo pacífico com as duas nações sendo independentes. Especialistas acreditam que, se uma solução amigável for alcançada, a Palestina receberia a adesão plena à ONU. Antes de ser declarado não-membro da organização, a Palestina era um observador permanente na ONU. Devido ao fracasso nas negociações com Israel, o governo palestino adotou uma política diplomática para assegurar seu reconhecimento no cenário internacional. O governo da Palestina divulgou um relatório em que afirmava que a ONU, especialmente o Conselho de Segurança, favorecia Israel em várias questões. Israel opõe-se significativamente a qualquer atualização para o status da Palestina na comunidade internacional, pois acredita que isso iria inclinar o equilíbrio da negociação a favor da Palestina. Várias das nações do mundo, particularmente aquelas com laços estreitos com os EUA, apoiam regularmente a posição de Israel sobre a Palestina.

1. Cidade do Vaticano (Santa Sé)

Em aproximadamente 0.17 milhas quadradas, a Cidade do Vaticano detém a distinção de ser o menor estado do mundo. É uma das poucas nações do mundo que não são membros da ONU. Antes da formação da ONU, vários fatores haviam impedido a Cidade do Vaticano de ingressar na Liga das Nações, apesar de um convite oficial da Grã-Bretanha, bem como o apoio da Suíça. O principal fator foi uma disputa com a Itália sobre a extensão do território do Vaticano que foi finalmente resolvida no 1929. Apesar de não ser membro, o Vaticano exerceu sua influência através de um grupo de lobby que alcançou sucesso significativo em áreas de cooperação intelectual. A Santa Sé manifestou interesse em se juntar à ONU na 1944, mas enfrentou oposição substancial de Cordell Hull, que na época era o secretário de Estado dos EUA. Em sua opinião, devido ao pequeno tamanho da nação, seria incapaz de contribuir para o objetivo principal da ONU, que era manter a paz global. Ele acreditava que, apesar do Vaticano não ser membro da ONU, poderia contribuir para assuntos internacionais através do trabalho humanitário. Na 1964, a ONU concedeu à Santa Sé o título de observador permanente, que lhe concedia alguns privilégios, como poder participar de todas as reuniões do Conselho de Segurança da ONU. Catholics for Choice levantou algumas questões que, segundo eles, impediam a Santa Sé de ingressar na ONU. Apesar da oposição, a ONU confirmou o status da nação no 2004.