O Que É Doença De Olmo Holandês?

A doença do olmo holandês (DED) é fungo e afeta as árvores de olmo, enquanto os besouros da casca de olmo se propagam ainda mais. Acredita-se que seja inicialmente da Ásia, mas depois encontrou seu caminho e se espalhou pela Europa, América do Norte e Nova Zelândia acidentalmente. Esta doença levou à distração de olmos que eram resistentes à doença em toda a Europa e América do Norte. O nome holandês Elm pode levar a pensar que é de origem holandesa, mas o nome é porque a pesquisa sobre o DED foi feita primeiramente por patologistas holandeses chamados Bea Schwarz e Christine Buisman. Os dois patologistas trabalharam com Johanna Westerdijk, professora. A doença, no entanto, não afeta explicitamente as árvores híbridas olmos holandesas, mas também as espécies Ulmus e Zelkova.

Causas e vetores de DED

Três tipos de fungos presentes no gênero Ophiostoma, que apenas crescem e se reproduzem em olmos, causam a doença dos olmos holandeses. Um dos tipos de fungos é chamado Ophiostoma ulmi, que nas 1900s destruiu muitas árvores na Europa (pandemia de ulmeiro holandês). Esse tipo conseguiu chegar à América do Norte quando a madeira das áreas afetadas foi exportada para a América do Norte em 1928. Nos Estados Unidos, medidas foram tomadas para combater a doença, mas não erradicaram o DED que atacou as árvores muito vulneráveis ​​do olmo americano (Ulmus americana). Este fungo pode tanto comer o tecido vivo (parasita) da árvore como também se alimentar do tecido morto da árvore (saprófita).

O segundo tipo é chamado Ophiostoma novo-ulmi, que foi descoberto pela primeira vez nos últimos 1940s na Europa e nos EUA. O.novo-ulmi é mais agressivo que o O.ulmi e, como resultado, os olmos foram significativamente destruídos e, na 1989, encontrou o caminho para a Nova Zelândia. A Nova Zelândia quase conseguiu erradicá-lo completamente, mas devido à falta de fundos, a medida falhou. Este fungo afeta os caules e raízes de olmos. O terceiro tipo de fungo é o Ophiostoma himal-ulmi que foi descoberto no 1993 e afeta principalmente o Himalaia Ocidental.

A doença dos olmos holandeses é disseminada por três besouros (vetores). O primeiro vetor é o besouro americano Hylurgopinus rufipes que é um besouro da casca do olmo nativo. O segundo besouro é o Scolytus multistriatus, que é um pequeno besouro europeu que dissemina a doença muito mais rapidamente em comparação com o antigo besouro. O último besouro é o Scolytus schevyrewi, que é um besouro com bandas. Existem também outros vetores conhecidos, como os sulcífrons de Scolytus e Scolytus pygmaeus. Os enxertos de raiz também são conhecidos por transmitir a doença.

Esses vetores depositam seus ovos em olmos fracos, e quando os besouros crescidos emergem, eles vão para outras árvores saudáveis.

Sinais e sintomas

O primeiro sinal da doença dos ulmeiros holandeses é que os galhos mais altos de uma árvore começam a murchar e ficam amarelos, sem graça, pardos ou começam a enrolar durante o período de verão. Essa mudança de cor ocorre meses antes das folhas de outono começarem a cair. A infecção, então, afeta lentamente o restante da árvore, o que leva à morte de mais ramos. Os ramos que estão morrendo acabarão desenvolvendo uma cor marrom a preta. Isso leva à morte de olmos jovens em cerca de dois meses, enquanto as árvores mais velhas podem levar mais de dois anos. As raízes de algumas espécies como Ulmus procera podem levar até quinze anos para morrer. Esta doença é por vezes confundida com outras doenças como a necrose do olmo e, portanto, o exame laboratorial é vital.

Controlando o DED

Isso envolve a exclusão dos vetores e a queima de todos os galhos mortos e fracos com cascas apertadas ou enterrá-los para evitar que brotem. As árvores também podem ser pulverizadas com um spray que reveste as superfícies das árvores (como o metoxicloro), o que irá erradicar muitos besouros. Há também relatos de que alguns fungicidas podem ser injetados no alburno. Essas medidas, no entanto, tendem a proteger as árvores em vez de curá-las.