O Que É Um Gueto?

Um gueto faz parte de uma cidade que foi estabelecida para um grupo minoritário de pessoas com origens econômicas, étnicas ou religiosas específicas. O confinamento pode ser voluntariamente involuntário. O termo "gueto" foi originalmente usado para descrever partes de uma cidade em Veneza, onde os judeus eram legalmente restritos a viver. O primeiro gueto baseado nesta descrição foi encontrado em torno do 1280 no antigo Marrocos, onde os judeus estavam confinados em assentamentos conhecidos como millahs, com o governo muçulmano colocando restrições ao tamanho das casas e aos movimentos de moradores judeus.

Definição e Origem

O conceito de colocar os judeus em assentamentos segregados logo se espalhou por toda a Europa nos séculos 14 e 15. No século 14, a cidade de Veneza teve seus moradores judeus confinados em uma área que abrigava uma antiga fundição de ferro. É deste assentamento que o termo se originou, como o termo veneziano para “fundição” é “getto”. No entanto, outros historiadores acreditam que a palavra é derivada do termo iídiche “get” que se traduz livremente como “ação de separação” ou "Conta de divórcio".

Guetos judeus europeus

No século 13, o papa Pio V fez um decreto que orienta os estados europeus a estabelecer guetos para confinar os judeus. Logo depois, os guetos surgiram na Alemanha, Espanha, Itália e Portugal, de acordo com a diretriz papal. Os judeus que residiam nos guetos não podiam comprar terras e logo os guetos ficaram lotados de ruas estreitas. Em algumas cidades, o antissemitismo era tão profundo que os residentes judeus precisavam de passes enquanto viajavam para fora dos limites dos guetos. No século 17, todas as principais cidades da Europa haviam estabelecido um gueto, com exceção de Pisa e Livorno. O confinamento de judeus em guetos foi mais tarde abolido em todo o continente (exceto a Rússia) no século 19, em consonância com os ideais da Revolução Francesa.

Guetos da Segunda Guerra Mundial

No início do século 20, Adolf Hitler subiu para se tornar o líder do partido nazista, cujas ideologias encorajaram o anti-semitismo explícito. Essas ideologias logo foram implementadas como políticas estatais durante a Segunda Guerra Mundial, com o confinamento de judeus em guetos em toda a Polônia e Alemanha. As condições de vida nesses guetos eram deploráveis, com a maioria das carências básicas como comida. Deixar esses guetos nazistas foi proibido e os fugitivos capturados foram executados. Alguns exemplos de tais guetos nazistas incluem o Gueto de Varsóvia, que foi o maior deste tipo durante a Segunda Guerra Mundial e teve um pico populacional de pessoas 450,000. Os guetos foram finalmente transformados em campos de concentração pelos nazistas.

Características de um gueto

Guetos encontrados na maioria das cidades em todo o mundo compartilham várias características comuns que os diferenciam de outros bairros. Uma característica comum nos guetos é a falta de infraestrutura necessária e o planejamento inadequado. Devido a anos de segregação, as autoridades fecham os olhos para os guetos, fazendo investimentos mínimos no fornecimento de instalações, como infraestrutura de saneamento básico. Outra característica observada nos guetos é a dificuldade econômica geral vivida pelos moradores. Devido à falta de instalações básicas, as casas nos guetos tendem a atrair pessoas economicamente empobrecidas que vêem os guetos como sua única opção para habitação. Outra característica compartilhada pelos guetos é a falta de segurança atribuída à pobreza nos assentamentos e agravada pela falta de pessoal de segurança empregado pelos respectivos governos.