O Que É Um Manifesto?

Em um mundo que está constantemente se tornando mais sofisticado e político com acordos a cada dois dias, o uso de manifestos continua a crescer à medida que as sociedades reconhecem sua importância. A palavra "manifesto" originou-se da palavra latina "manifestum", que os italianos posteriormente modificaram e chamaram de manifesto para significar "claro" ou "conspícuo". Um manifesto é uma declaração pública escrita de intenção, objetivos, política, visões e abordagens escritas. por um político, partido político, organização, movimento ou governo para um grupo específico de pessoas. Os manifestos introduzem e promovem idéias do autor para as pessoas e, portanto, permitem que as pessoas se relacionem com o emissor de uma maneira específica. Um credo é um exemplo de um manifesto religioso.

Importância dos Manifestos

Os manifestos políticos são documentos de prestação de contas que comercializam e esboçam visões do candidato ou partido ao eleitorado. Eles permitem que o eleitor faça uma escolha informada e tenha um cartão de pontuação depois que o partido / candidato assumir o cargo. Esses documentos também mostram a ideologia e a posição do partido / candidato em questões de interesse, além de atuarem como um contrato moral entre o partido / candidato e o eleitorado. No entanto, a importância dos manifestos políticos tem atraído debate com muitos questionando a essência do mesmo, uma vez que um bom número de manifestos provou ser excessivamente ambicioso em relação às necessidades e aspirações nacionais. Assim como os manifestos políticos, outros manifestos como manifestos organizacionais ou de movimento ligam o emissor ao escrutínio da população receptora. Manifestos pessoais ajudam os indivíduos a realizar uma “varredura profunda” de si mesmos, olhando sua história para planejar um futuro com propósito, após o qual ele ou ela terá a oportunidade de avaliar o progresso.

Exemplos de Manifestos

Houve muitos manifestos notáveis ​​no mundo ao longo dos séculos. Um dos primeiros foi o Manifesto de 1011, em Bagdá, contra uma seita islâmica. Alguns outros exemplos são a Declaração de Independência dos EUA (1776), A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789), O Manifesto Comunista de Karl Marx (1848), O Manifesto Fascista (1919), O Manifesto Humanista I, II e III (1933, 1973, 2003), O Manifesto Romântico (1969), O Livro Verde de Muammar Gaddafi (1975), O Manifesto do Hacker (1986), O Manifesto da Biblioteca Pública da UNESCO (2001), O Manifesto da História (2014), e O Salto Manifesto (2015), entre muitos outros.

Declaração de Independência

A Declaração de Independência dos EUA (1776) é um bom exemplo de um manifesto intemporal que construiu a fundação do país. Escrito por Thomas Jefferson e adotado pelo Segundo Congresso Continental, esta declaração é a razão pela qual as colônias britânicas buscaram a soberania. Do preâmbulo, o documento explica que todos os homens foram criados iguais aos direitos que nenhuma autoridade tem o direito de tirar. Especificamente apontando os direitos à vida, à liberdade e à busca da felicidade, o documento explica que as pessoas podem derrubar qualquer governo que não possa assegurar-lhes os direitos e formar um para proteger seus direitos. Vindo de uma má experiência de abuso do rei da Grã-Bretanha e impostos extravagantes, e depois de várias medidas diplomáticas fracassadas para resolver os problemas, os colonos não tiveram escolha senão declarar independência e formar uma nova nação, os Estados Unidos da América com um governo que resolveu disputas pacificamente e se associou a outras nações no comércio. A Declaração da Independência é um documento tão importante na história dos EUA que é citado frequentemente em instituições governamentais e em muitas funções importantes como um lembrete do compromisso dos EUA.